Barreiras Técnicas ao Comércio Internacional e a Sustentabilidade Ambiental

Barreiras Técnicas ao Comércio Internacional e a Sustentabilidade Ambiental

Compartilhar
Copiar link

Compartilhar

Compartilhar esse link com
Copiar link
Link copiado!

Medidas regulatórias relacionadas ao meio ambiente se proliferam, podendo ser criadas por motivos legítimos ou para restringir o comércio, com impacto sobre exportações brasileiras. 

Mecanismos de ajuste de carbono na fronteira, leis para vedar a importação de produtos associados a desmatamento e regulamentos que exigem sustentabilidade corporativa constituem nova geração de regulamentos sobre comércio e tendem a afetar exportações brasileiras. 

Por essa razão, a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (ApexBrasil), em parceria com o Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), publica informe sobre a interação entre comércio internacional e sustentabilidade ambiental: o TBT em Pauta 7ª edição. A publicação ocorre semestralmente, com o objetivo de sensibilizar as empresas exportadoras sobre a relevância das medidas não-tarifárias e eventuais barreiras decorrentes. Acesse o novo levantamento aqui e versões anteriores nesse link.

As medidas não-tarifárias representam um desafio maior que o das medidas tarifárias para as exportações brasileiras, dada sua aplicação complexa e, muitas vezes, menos transparente. Segundo a Organização Mundial do Comércio (OMC), o volume e a proporção de medidas regulatórias relacionadas ao meio ambiente têm aumentado.  

O informe da ApexBrasil e do Inmetro ressalta o surgimento de mecanismos inéditos para fomentar os efeitos positivos do comércio sobre o meio ambiente e mitigar os seus efeitos negativos. O mecanismo de ajuste de carbono na fronteira (CBAM, da sigla em inglês) da União Europeia, exemplo da atual tendência e analisado no TBT em Pauta 6a Edição, foi concebido com o objetivo de corrigir os vazamentos de carbono e equalizar o preço do carbono pago pelos produtos que operam sob o mercado de carbono da UE e o preço do carbono pago pelos produtos importados (que operam sob outras regras).

Em razão dele, os produtos exportados para a UE precisarão, a partir da entrada em vigor do CBAM, apresentar certificados de emissões compatíveis com a metodologia de cálculo do bloco e, quando houver diferença no nível de emissões ou incompatibilidade metodológica, pagar pelo “certificado CBAM”.

A partir de outubro de 2023, o CBAM será aplicado às importações europeias de: cimento, ferro, aço, alumínio, fertilizantes, eletricidade, hidrogênio e alguns produtos acabados, como parafusos, porcas e outros artigos de ferro ou aço). Além desses, outros grupos de produtos poderão ser alcançados pela nova lei futuramente. Conforme a nova análise da ApexBrasil e Inmetro, Reino Unido, Estados Unidos e Canadá consideram adotar mecanismo semelhante ao europeu. 

Nova geração de regulamentos sobre comércio e meio ambiente

Assim como o CBAM, as leis antidesmatamento e as regras de diligência devida sobre sustentabilidade corporativa estruturam-se de maneira semelhante. A exigência documental sobre a sustentabilidade das cadeias de fornecimento recairá sobre o importador estrangeiro. Indiretamente, o importador exigirá a documentação do exportador, que, por sua vez, deverá fazer o mesmo em relação a seus fornecedores. 

A criação dessas novas normas pode representar oportunidades, mas também preocupa o Brasil. As justas preocupações com o desenvolvimento sustentável podem ser utilizadas para fins comerciais legítimos. No entanto, por vezes, medidas técnicas, sanitárias e fitossanitárias podem também ser exploradas de forma a restringir o comércio (por exemplo, ao se exigir testes e procedimentos de avaliação da conformidade longos e mais custosos para o importador do que para produtores domésticos).

Do ponto de vista dos exportadores brasileiros, os procedimentos de diligência devida que serão exigidos ao longo das cadeias de fornecimento são o ponto fundamental que essas novas legislações têm em comum. Ainda não está claro como a demonstração da sustentabilidade ao longo das cadeias será efetivamente feita (algo que carece ser definido em legislação secundária). É possível que essa demonstração se baseie, em alguma medida, em esquemas de certificação, em rastreabilidade, em auditorias de terceiros e até em normas voluntárias de sustentabilidade

Para assegurar acesso a mercados e se adequar à preferência dos consumidores, empresários têm recorrido a normas voluntárias de sustentabilidade, as chamadas NVS, na forma de programas de certificação ou selos, visando sinalizar ao consumidor final que o produto está de acordo com princípios ambientais. O Selo Alianza del Pastizal, por exemplo, identifica produtos pecuários produzidos de forma alinhada à conservação do Pampa. De modo similar, o selo Cerflor indica uso e manejo adequados de produtos florestais. A Plataforma Brasileira de NVS, sob responsabilidade do Inmetro, oferece sugestões para políticas que maximizem os efeitos positivos econômicos, sociais e ambientais das NVS. 

Como o Inmetro e a ApexBrasil podem ajudar?

O correto entendimento sobre as exigências ambientais, seus limites e as ferramentas disponibilizadas pela infraestrutura da qualidade é decisivo tanto para o meio ambiente quanto para as empresas brasileiras em seus esforços para acessar mercados. Assim, o Inmetro e a ApexBrasil atuam para mitigar os efeitos negativos dessas exigências e para apoiar as empresas.

A Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (ApexBrasil) busca, entre outras coisas, capacitar e sensibilizar as empresas brasileiras em relação aos requisitos comerciais de acesso a mercados, por meio de diversos conteúdos gratuitos, como estudos de mercado e webinars. Destacam-se a recente publicação do Manual sobre o Acordo de Barreiras Técnicas da OMC em português e o webinar sobre o Regulamento Antidesmatamento da União Europeia.

Cabe ao Inmetro o papel de atuar para que os sistemas de certificação, inspeção e testes tenham rastreabilidade e sejam equivalentes, reconhecidos e aceitos pelos parceiros comerciais brasileiros. O reconhecimento e aceitação serão provenientes dos acordos celebrados pelo governo brasileiro. Também é competência do Inmetro instruir as empresas sobre quais requisitos devem ser atendidos, como fazer para o cumprimento destes requisitos e onde proceder os ensaios, testes e certificações.

Tema: Promoção Comercial — Expansão Internacional
Mercado: Europa
Setor de Exportação: Não se aplica
Setor de Investimento: Não se aplica — Outros
Setor de serviços: Não se aplica
Idioma de Publicação: Português

Exclusivo para usuários logados

Para acessar este conteúdo é necessário informar o tipo de Audiência

CNPJ inválido
Nome da empresa inválido
Erro: